sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Renunciar aos juízos falsos seria renunciar à vida, negar a vida

Se analisarmos com cautela a realidade que nos cerca, concordaríamos com o aforismo de Nietzsche acima mencionado. Trata-se de verificar os valores que nos circundam no dia a dia de nossas vidas. As verdades, as quais são nos apregoadas, são, em seus fundamentos mais profundos, ilusórias, frágeis, irreais. Entretanto, tais noções de verdade são essenciais para a manutenção do sistema como um todo. Imagine se a classe média começasse a questionar o seu consumismo exacerbado. Isso significaria o mesmo que questionar a religião em épocas anteriores. Enfim, o ser humano tem um instinto de buscar sempre uma verdade, mesmo que esta seja fictícia. Logo, verdades pré-estabelecidas e impostas devem ser sempre questionadas, descontruídas até suas raízes, avaliadas. Por mais que certos argumentos pareçam repletos de razão, faz-se necessária uma busca sempre mais profunda, um questionamento do convencional.