terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Das convenções socias

Por que motivo será que, em algum momento da história, surgiram as "formalidades", as regras sociais, ou melhor dizendo as hipocrisias socias? Por que as pessoas oferecem a sua ajuda quando, na verdade, elas só pensam em si mesmas e odeiam fazer favores para os outros? Qual a razão que alguém tem de convidá-lo para visitar sua casa quando na realidade você nunca será bem vindo se efetivamente aparecer? Sim, vivemos em um mundo de aparências no qual os seres humanos são meras peças de um jogo, tão substituíveis quanto um pedaço de papel higiênico. Vivemos em um ninho de víboras em que se não tomamos cuidado, somos picados e envenenados até a morte. cada um só se importa consigo mesmo, e os outros que morram da pior forma possível. É essa a impressão que tenho em relação ao convívio social. Nossa individualidade se comodificou, se coisificou. Somos objetos, não mais seres humanos. Não temos mais necessidades emocionais e afetivas. Centramo-nos em nosso próprio "eu" e adquirimos coisas e mais coisas para tapar um buraco imenso em nossas almas. Essa é uma estranha realidade que a sociedade de consumo nos trouxe. Não que antes disso o mundo fosse mil maravilhas. Mas é engraçado como nos iludimos com a falsa idéia de "evolução tecnológica" quando, na verdade, estamos "involuindo" como sujeitos.