sábado, 29 de dezembro de 2007

Quem sou eu.

Sou uma aberração da natureza. Uma pessoa extremamente egoísta, arrogante, extravagante e bizarra. Sou filha do carbono e do amoníaco, monstro da escuridão e rutilância. Sofro da influência má dos signos do zoodíaco e sou profundissimamente hipocondríaca. Mas isso não é tudo: o pior de todos os meus inumeráveis defeitos, com certeza, é que sou uma pessoa verdadeira, uma pessoa que fala o que pensa na hora que quer sem medir conseqüências. Esse defeito faz com que pessoas do mundo inteiro tenham ódio, aversão e até medo de mim. E o mais interessante de toda essa história é que a minha aparência externa não denota nenhuma dessas características... Interessate, eu reconheço a maioria dos meus defeitos. Sei que às vezes tenho muita raiva das pessoas, às vezes tenho pulsões de morte. Otras vezes sinto uma inveja profunda, penso que certas pessoas não merecem o que elas têm... No entanto, sei que esses sentimentos são instintos demasiadamente humanos. Tento refreá-los ou expurgá-los de outras formas que não firam as pessoas que não tem nada a ver com os meus sentimentos (mas nem sempre ajo dessa forma, nem sempre as coisas funcionam como planejamos). No entanto, sou vítima da violência de pessoas que, assim como eu, possuem todos esses sentimentos mas tentam camuflá-los. As pessoas em geral detestam admitir seus instintos mais animalescos. Todas elas querem fingir que são equilibradas, que não têm ódio, inveja, cobiça. Ninguém quer parecer pregiçoso, ignorante, arrogante ou vil. Todos usam máscaras o dia todo e acabam esquecendo-se de tirá-la até na hora de se olharem no espelho. As pessoas fingem que são equilibradas, justas, honestas e boas. Todas acham que um dia vão para o céu!!! Interessante quando você as interroga e as aponta os defeitos. Elas viram e dizem "imagine, eu fazer uma coisa dessas? Eu só quero o bem dos outros!" No fundo as pessoas querem ver você se dar mal. Tenho convicção disso por exeriência própria. Quando você está quase no topo, você vê milhares de mãos agarrando os seus pés e os puxando para baixo. Você vê que seus melhores amigos são na verdade seus maiores rivais. Loucura é viver nesse ninho de cobras e fingir o tempo inteiro que está tudo bem! Fingir que você não vê as coisas erradas, fingir que você não odeia muito tudo isso... Loucura é não perceber quando a sua máscara está colada a sua cara. Loucura é acreditar que você não tem sentimentos impuros. Acho que sou a única pessoa sã nesse mundo!