segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Depressão?

Por que todas as pessoas insistem em tentar me convencer de que a vida é bela, de que tenho que mudar os meus pensamentos negativos, de que eu só vejo o lado ruim das coisas... Por que tentam me convencer que eu tenho depressão, de que eu preciso me ajudar, que eu preciso mudar o meu jeito de encarar as coisa? Por que ninguém nunca diz para mim "deixe de ser realista!" "comece a inventar coisas belas e bonitas" "comece a acreditar naquilo que não existe". Um dia eu cheguei à conclusão de que eu estava com uma doença cuja cura era prometida através de algumas sessões de terapia e alguns medicamentos. Hoje, após alguns anos de conversas com psicólogos, após ter me dopado de vários tipos de substâncias, concluí que a minha doença não era na verdade uma doença. Agora eu sei que na verdade eu estou curada, estou sã e descobri que o mundo é que está doente. Eu não tenho depressão! Eu tenho uma visão muito aguçada da realidade, isso é o meu problema. Como é que se pode diagnosticar depressão em uma criatura tão sã quanto a mim?Esses médicos é que são loucos em acreditar que a depressão é uma doença. Na verdade a doença não está em mim. O mundo está infectado de maldade, inveja, intrigas, guerras, ganância, egoísmo. E eu fui criada para acreditar nos outros seres humanos! A minha avó e a minha mãe sempe me diziam isso, que os seres humanos eram bons. Eu via os gestos de amor que elas me dedicava quando era pequena lá em casa. Eu acreditei que todos os homens eram bons como elas foram para mim. Quando comecei a sair de minha casa e vi um mundo que não correspondia com aquilo que a vida toda me foi ensinado, então entrei em colapso: tive crises de pânico, tive febre, dores no corpo e uma vontade extrema de morrer Não! aquilo não podia ser real. Lembro-me das primeiras brigas na escola. Lembro-me das mentiras que os coleguihas inventavam uns dos outros só para os verem assinar o "livro preto", tomar suspensão ou terem os pais convocados. Depois eu me lembro das intrigas que algumas garotas criaram a meu respeito só para que o menino que eu gostava rir de minha cara. Depois comecei a ver na TV coisas estranhas chamadas de corrupção, guerra, terrorismo... Aquilo não podia ser real! Eu estava tendo um pesadelo!!!! Depois de algum tempo eu comecei a querer lutar contra tudo aquilo que eu achava estar errado: Eu me filiei a partidos de oposição, frequentei reuniões secretas, me envolvi com grupos de revolucionários... Depois descobri que todos eram iguais. Descobri que por onde quer que se vá, existirá sempre gente querendo acabar com outras pessoas de uma forma ou de outra. Resolvi me isolar então. Comprei alguns livros, li, estudei e observei a vida ao meu redor. Fiquei um tempo sem querer sair de casa. Agora quando eu tenho que sair de casa, eu saio. Vou ao mercado, vou ao trabalho e volto para dormir. E ainda acho que se eu acreditasse em deus, eu teria muito ódio dele, pois se ele criou a terra e o homem a sua semelhança, ele deveria ser um monstro inexorável. Agora vocês me perguntam: "Por que você ainda não se matou?" A resposta é eu ainda não descobri porque, acho que o meus instinto de sobrevivência (que Freud explicou) ainda fala mais alto que a minha razão!