sexta-feira, 25 de abril de 2008

Metafísica

Lutei, lutei e lutei,
Em vão
Restou-me um cansaço absurdo
Uma vontade imensa de deitar-me
De fechar os olhos e esquecer as dores do mundo
Em devaneios, em pensamentos tolos, futilidades
Cansei de lutar contra o destino
Em vão lutei
As coisas permanecem as mesmas
e continuarão nos tempos vindouros.
Como não se pode acalmar o mar em tempos de tempestade
Como não se pode mudar o curso de um rio
Como não se pode adiar o inverno
Não se pode lutar contra o destino
O inexorável destino
Assim como existem os ciclos da natureza
Existem os ciclos da vida
Você nasce na primavera
Exalta-se no verão
Arrepende-se no outono
E morre no inverno.
A morte é para o homem
o que o sono é para a natureza.
Enquanto uns adormecem eternamente,
outros acordam e lhe tomam o lugar.
Saber isso é saber toda a metafísica do universo
É saber que só há metafísica para o todo
Não para o indivíduo.
Chegar próximo ao inverno
É uma delícia dolorosa
É saber que retornará ao pó
Mas que tudo continuará exatamente
do jeito que está.