segunda-feira, 9 de junho de 2008

Pais e filhos

Não vou silenciar a verdade. Não serei a primeira a me calar, pois estou com a razão, e quem tem razão deve gritar mais alto, para que todos ouçam. Quem tem razão não precisa se esonder, não precisa temer, não precisa viver uma vida de fingimentos. Estou certa e a minha palavra será a última palavra. Quando, de repente, eu descobri a verdade, as coisas começaram a se tornar mais claras. O rio sujo no qual estava imersa começou a ficar límpido, cristalino. Isto, para mim, é extremamente importante: saber o verdadeiro motivo de tanto desprezo, humilhação e descaso - como mamãe me disse um dia, ninguém é obrigado a gostar de ninguém. A princípio, esta idéia me soa estranha, pois aprendi a não gostar de pessoas que me fazem mal. Aprendi a amar todas as criaturas da face da terra e a apenas odiar as pessoas do mal, os bandidos, assassinos, desonestos, corruptos, hipócritas, etc. Não consigo entender como alguém pode odiar uma criança inofensiva. Não consigo entender porque o pai da Isabella a matou com tanto ódio e nem porque o pai de Sandra Regina, o Rei Pelé, a menosprezou até o dia da morte da filha, a qual, segundo relatos, esperava que o pai a visitasse no hospital onde ficou internada por causa de um câncer. Acontece que tudo aquilo que nos foi ensinado nas cartilhas escolares, na igreja, na catequese e na televisão é uma deturpação da realidade. Eu sempre acreditei que os pais e os filhos deveriam se amar imensuravelmente, eternamente. Não obstante, essa colocação é falsa e imprópria, pois todos os dias, mesmo que não vejamos, pais judiam de seus filhos, pais menosprezam seus filhos e pais até estupram matam seus filhos. Por quê? Eis a questão crucial - Freud explica, em outras palavras, que o ser humano tem um lado extremamente obscuro, do qual ele não tem controle. Quanto maior o ego de uma pessoa, mais o mundo exerno a incomoda. Isto é, uma criança muitas vezes atrapalha os desejos e prazeres de seus pais. Quando se tem um filho, é preciso renunciar centenas de coisas para poder criá-lo de forma adequada. E é exatamente por isso que um pai pode ser levado a cometer um crime contra uma crinaça inocente e inofensiva. Esse discurso, até aqui, parece até mesmo em defesa de pais errados. Na verdade, o que se deve fazer antes de ter um filho é pensar e pensar muito bem. E depois que se tem um filho, deve-se ensiná-lo desde pequeno que o mundo é cheio de coisas estranhas, de maldades, intrigas, inveja, ganância e egos imensos (que muitas vezes se tornam gordura)... O que deveria existir no mundo que prega a paz e a felicidade familiar? JUSTIÇA! Se hovesse justiça, certamente os pais pensariam muito antes de cometer qualquer coisa com seus filhos. Um pai que despreza, que abandona que maltrata deveria PAGAR MUITO CARO! Deveria ficar preso, deveria ser humilhado e ofendido na cadeia, deveria prestar anos de serviço social sem ganhar nada em troca. Deveria ser proibido de formar outra família e ter outros filhos. Mas essa quimera é apenas uma grande fantasia que tenho, eu, como toda a criança, devo acreditar na bondade, na doçura, na dignidade de caráter. Mas chega de sonhos! Encaremos, portanto, a realidade: Se você tem pais assim, nunca espere que eles mudem, espere sempre o pior deles ou simplesmente não espere NADA!