domingo, 1 de março de 2009

Absurdo

O ser humano se depara com o verdadeiro sentido do absurdo quando ele realmente entende a lógica do mundo: quando ele percebe que a natureza não é justa e nem injusta, é apenas como é. Não havendo lógica alguma os acontecimente sucedem-se uns aous outros sem explicação plausível, sempre de forma aleatória. O nosso conceito de justiça é falho, pois não há justiça na natureza humana e nem na natureza em geral. Com isso quero dizer que toda a doutrina moral, ética ou religiosa são apenas invenções para dar uma resposta a questões que nos intrigam tanto. Um homem bom não é recompensado por ser bom assim como o mau não é punido pelo fato de ser mau. Não existe essa constatação simplista tão óbvia, tão lógica e maniqueísta que gostaríamos que houvesse. Obviamente todos nós nos sentimos muito mais seguros ao acreditar que exite um poder maior que controla o fluxo o universo, que matém as coisas nos seus devidos lugares. E justamente por acreditar nisso, cumprimos com o nosso papel de semos bons, para colhermos os frutos da bondade. Mas ao analisar profundamente os rumos da vida e os diferentes aspectos dela, percebemos o quanto essa lógica maniqueísta está longe de ser uma regra; e, na verdade, nunca será uma regra. Devemos aceitar com resignação que todos aqueles que fazem o mal não irão pagar por seus pecados. Assim também devemos entender que não basta sermos bons para colhermos os frutos da bondade. O mero acaso ou a sorte são os regentes do mundo e de seus acontecimentos, a vida não passa de uma grande loteria com prêmios variados, e essa loteria da vida não escolhe quem prejudicar e quem afortunar, ela simplesmente acontece, ao mero acaso. O mundo toda caminhos complexos, sem explicações, e nós, questionadores, ficamos sem entender a lógica de tudo isso - apenas percebemos o quão absurdo tudo nos parece...