segunda-feira, 27 de julho de 2009

Procura-se um centro

Quanto mais fragmentada é uma personalidade, maior a ânsia pela busca de um elemento centralizador, algo que unifique e dê um sentido totalizante aos pedaços soltos dispersos. Viver é sempre buscar significados. A família, a genética e a história são os principais recursos disponívels para essa procura. Quando não se tem essas referências, é difícil estabelecer padrões. O "conhece-te a ti mesmo" implica também no "conhece a tua história". A busca de uma identidade torna-se muito mais complexa quando não se dispõe de certas informações, absolutamente necessárias para a concretização dessa definição de si mesmo. E quando não se sabe quem se é, o indivíduo sente-se perdido, sem rumo, sem sonhos...