sábado, 16 de janeiro de 2010

Sobre o casamento



Andei refletindo hoje sobre as minhas carências e alguns de meu luxos... e tudo recai no casamento. Casar-se é acorrentar-se a outra alma tão cheia de defeitos quanto você. Compartilhar dores? Não, duplicá-las. Você, querendo ou não, permeia o universo do outro e acaba se tornando um pouco dele. Casar-se é ter de calar sua voz interna, suas paixões, seus ideais porque o outro tem outras paixões e outros ideais que também serão apagados. Não vejo casamentos saudáveis, um sempre deve ceder ao outro. Se um se esforça para manter a casa com as contas em ordem, o outro deve economizar. Se os dois pagam as contas, aquele que é pródigo sentir-se-á enjaulado. Se um deles ama sair e o outro odeia, qual é a solução? Não há divisão no casamento! Não existen formulas secretas para fazê-lo feliz. Esqueça o casamento duradouro de seus pais. Quem sabe ler no fundo do coração deles quantas privações ambos tiveram de passar? Por mais que se diga que se é feliz em ver a harmonia e os filhos crescerem, lá na alma, no fundo da alma, os desejos são sempre outros. Casar-se com sua alma gêmea?: Eu jamais toleraria os meus próprios defeitos em outro... O casamento é uma grande farsa que nos ensinam desde pequenos, no entanto descobrimos cedo que papai noel e coelhinho da páscoa não existem, e tarde que casamento é uma droga!