quinta-feira, 27 de maio de 2010

No liminitzsche

Trechinho de A Gaia Ciência de Nietzsche:

Excelsior! - "Nunca mais rezarás, nunca mais adorarás, nunca mais descansarás na confiança sem fim - te proibes de parar diante de uma sabedoria últma, bondade última, potência ultima, e desaparelhar teus pensamentos - não tens nenhum constante vigia e amigo para tuas sete solidões - vives sem a vista de uma montanha que traz neve sobre sua fronte e brasas no coração - não há mais nenhuma razão naquilo que acontece, nenhum amor naquilo que te acontecerá - para teu coração não está aberto mais nenhum abrigo, onde ele só tenha o que encontrar e nada mais para procurar - tu te defendes contra qualquer paz última, queres renunciar? quem te dará a força para isso? Ninguém ainda teve essa força!"

Abandonar as crenças é apenas para algumas pessoas. É extremamente difícil desarraigar-se de pensamentos deístas, que almejam proteção, sossego, equilíbrio e prosperidade. Nada está nas mãos de deus, esse ser que humanos loucos criaram. Esse ser, fruto de mentalidades desprotegidas que se espalhou pela terra justamente pela falta que o ser humano tem de todas essas coisas ditas divinas - a paz eterna, a proteção e o amparo. Sim, sem deus os homens se sentiriam desamparados e sem um motivo para viver. o niilista se depara com essa questão a todo momento e sabe que ela é insolúvel. No limite de minhas amarguras, agora não mais contra esse ser inexorável, mas contra toda a sociedade que quer tampar nossos olhos, bocas e corações. Deus hoje em dia é ganhar dinheiro , é ter, possuir; o deus que se busca na época em que vivemos é o deus provedor, que "dá" forças para os seres trabalharem cada vez mais e prosperarem cada vez mais. Ledo engano! Somos todos escravos num sistema rígido, fechado e totalitário não declarado! Somos impulsionados pelos desejos (as pulsões de vida que tanto falou Freud) para hoje adquirirmos cada vez mais coisas, coisas inúteis e  descartáveis - celulares, carros, roupas, sapatos. Somos induzidos e achamos que somos livres pois ganhamos nossos salários neo-liberais! Ideia ridícula pensar em liberdade!!!! Em plena época de escravidão mental! Trabalho escravo e mentalidade escrava! O pior tipo de ditadura... No limite de minhas forças, corro de um lado a outro para isso, tenho consciência plena de minha situação e o deus da prosperidade não consigui matar ainda!!!!! Há possibilidades de fuga? Existem meios alternativos de vida? Não! e ouvir minha mente ecoando esse não nauseabundo me faz ficar cada vez mais triste,  mais deprimida e angustiada. Que futuro terá essa humanidae? Um dia esse sisatema cai, na história vemos que nenhum sistema dura para sempre, mas estarei eu viva para saber? Ou deverei morrer levando comigo ao caixão esse mal-estar pós-moderno?