quinta-feira, 3 de junho de 2010

Niilismo é força!

O niilismo é sinônimo de força! Pois viver em um mundo reconhecidamente caótico sem nenhum tipo de âncora, sem nenhum guia "espiritual", religioso ou filosófco é engolir a seco toda a maldade do mundo, toda a humilhação, o descaso e sentir-se desamparado de outras forças "superores". O niilista é aquele que não crê, mas tem uma crença forte em seu próprio potencial, uma pulsão de vida extremanete forte para conviver com todas as mazelas humanas, engolindo as farpas da vida a seco. O único sentido da vida é viver, é continuar. Nada além disso. Conquistar o que almejamos e morrer, voltar para o eterno siencioso nada! Que maravilha!!!!! Não ser! 

Entre esse não ser e o ser (Shakespeare!!!!) apenas o funcionamento de órgãos, as químicas cerebrais... além da vida, a frialdade inorgânica da terra! A única verdade que posso aceitar. Os fracos não aguentariam jamais viver com tamanha resposabilidade! Ser o dono de seu próprio mundo, e vê-lo girar em torno de seu umbigo! Não! Os fracos devem se amparar em suas muletas para poder andar. Eu continuo andado, capengando mas andando sem nenhum tipo de muleta! Isso é uma certa forma de liberade - não ser parte do rebanho cristão ou de adoradores fanáticos de um deus meramente mitológico.

A tradição filosófica platônica inventou um ideal de mundo "verdadeiro", mas o que é a verdade? Eis o princípio de tudo! A verdade não é um instinto humano, como já dizia Nietzsche, e sim uma criação humana. Quando a busca da verdade se vincula à moral, como acontece com as religiões e outras teorias, a "verdade a qualquer custo" é a negação dos instintos e da natureza em si. Essa busca transcendente levou à criação da metafísica e às teorias idealistas em geral.

A natureza é justa? é boa? Não! Ela é a natureza. Uma epidemia não escolhe matar os maus e poupar os bons. Muito pelo contrário! O próprio ser humano inveta cada dia mais e mais tecnologias para salvar-se, mas essa salvação humana é também independende de bondade ou maldade - é para quem "pode". Estou farta de ouvir as pessoas dizendo que quem planta a semente do mal colherá o fruto do mal! Se assim fosse, tantas e tantas pessoas que passam por cima de qualquer juízo moral ou ético estariam na pior! Não vejo isso acontecer ao meu redor, muito pelo contrário, quanto mais injustas, sem escrúpulos, mais prósperas e mais felizes essas pessoas se tornam, e tudo isso por quê? Porque justiça, ética, moral e verdade são conceitos humanos, não naturais! Durkheim ressalta que existem alguns sensos éticos e morais inerentes aos seres humanos, não posso negar esse fato, mas a natureza humana é cruel com seus semelhantes. É um absurdo ouvir falar de rejeição de mãe contra filho, ou de pai contra filho. Mas existe uma obrigação natural que chega a um certo ponto, depois a natureza se encarrega do resto. Na verdade eis uma questão extremamente polêmica, pois a rejeição pode partir de mecanismos cerebrais emoldurados pela sociedade, enfim, um tema para outra discussão acirrada!

No final das contas, o que devo salientar é que todas as criações humanas vão sempre contra a própria natureza. Ninguém sai matando, roubando, estuprando porque é bonzinho, mas porque é regulado pelos discursos sociais. Para os Vikings, tudo isso era extremamente normal. Não interpretem meu texto como uma apologia ao abandono de senso ético, e sim uma apologia ao senso crítico! Como tenho alguns leitores que não sabem direito o que estão lendo, podem ser induzidos a "acreditar" que meus textos pregam o "faça o que tu queres". No entanto, o intuito é exatamente o contrário, se bem que ultimamente não consigo mais pensar em uma solução para a sociedade, o Esclarecimento (fruto da cabeça humana, demasiadamente humana de Kant) poderia ser uma saída, da "menoridade", já cri muito nisso, hoje não mais. Cada dia que passa torno-me mais irremediavelmente niilista!