quarta-feira, 21 de julho de 2010

Desabafo do dia


Quando alguém o persegue incansavelmente apontando as suas feridas, os seus erros, tenha certeza de que essa pessoa é invejosa, quando tentam me desmerecer, eu não me importo, mas gosto de relatar aqui no blog esse tipo de coisa. Bem, quando eu passei na usp sem ter estudado em escola particular e nem ter feito cursinho algum, uma pessoa de meu círculo virou para mim e disse que eu tinha muita sorte... depois essa mesma pessoa disse que a filha dela havia passado na São Marcos e que, de acordo com não sei que pesquisa, a São Marcos era melhor que a USP. Na primeira vez eu apenas franzi a testa, pois achei que não deveria dizer que dormia e acordava em cima de livros, dividindo meus estudos com meu emprego de professora de inglês no CCAA. Da segunda, não mais pude deixar de observar como o egoísmo cego das pessoas as faz patéticas, e com minha cara irônica que a combinação genética de papai e mamãe me deu, olhei para a tal fulana e perguntei: Mas que pesquisa é essa? qual a fonte, a revista Veja ou sua cabecinha desmiolada? Desse dia em diante tornei-me inimiga mortal da tal pessoa... Mas pensando bem, hoje talvez quem se forma na São Marcos é melhor do que eu e os uspianos da minha laia... Alunos formados em certas universidades saem prontos, aliás programados para trabalhar em serviços patéticos. Da usp só tenho a lembrança de grandes professores, mestres e amigos... mas lá eu não aprendi a competir, não aprendi a puxar tapete, não aprendi a ser falsa... talvez esse seja o meu maior pecado.

No fundo, eu tenho dó de pessoas invejosas e venenosas, sei que todo o ser humano tem uma pontinha de inveja de quem está acima, eu morro de inveja da Cláudia Raia (rs)... Morro de inveja do acervo de minha orientadora de mestrado, do acervo de livros e do acervo "mental".

No final das contas, o pior infeliz é aquele que tem inveja mesquinha, que quer acabar com o outro, mas no fundo queria ser como ele... tenho pena (não aquela misericórdia cristã), pena pois as cabeças da grande massa são assim, desse jeito. Eu invessti muito de meu tempo, dei meu sangue e suor e blá blá blá para ter uma vida digna, e no final descobri que não existe vida digna dentro desse siitema horrível, dentro de todo esse caos. Por isso abro mão do magistério e me lançarei a outras dimensões. Em breve eu as divulgarei.

Quem disse que estou mais feliz, engana-se, estou mais centrada, alguns coquetéis fazem milagres com seu cérebro, fabricam serotonina o suficiente para você não desistir de quem ama você de verdade. Se contasse unicamente com meu cérebro, não sei o que seria de mim, mesmo. Terapia? ah, parece-me piada... o psiquiatra insiste na ideia e eu digo que sim, estou fazendo! Mas meu problema é químico !!!!Não fico deprê porque não comprei um chanel ou porque não comi um chocolate, ou porque levei um fora. Essa tristeza vai muito além! A propósito, devo confessar que meus pais, ambos, usam medicamenttos antidepressivos! Ora, depois vem um lacaniano maluco dizer que não é genético! faça-me o favor... por que quando acho que estou bem e largo meus tratamentos minha vida se torna um inferno? E porque logo após uma semana de tratamento fico centrada (não feliz, centrada!!!) novamente?

Não consumam antidepressivos por impulso, por uma vida falida. Minha vida é maravilhosa aos olhos alheios, eu tomo porque preciso da química cerebral! Desistir da vida? talvez quando não fizer mais efieto... talvez nunca desistirei, não sei bem o que me reserva o futuro (ou o que me farei no futuro).

Desculpem-me amigos leais, Tcm, Archetype, ângelo, Ivan,  Rô,ulo (desculpem-se se squeci alguém, esse post é rápidez) enfim, os que sabem discutir no plano das ideias, e não no plano mesquinho do defeito humano. Esse será meu último desabafo, e uma explicação para alguns que possam sentir essa angústia existencial. No fundo meu texto jamais se destinaria a cristãos abilolados e BURROS, pois eles não têm o alcance para entender as ideias aqui postadas.

Sou uma pessoa franca, não tenho medo de ofenças (aprendi isso com duras lições), por isso meu blog é aberto a anônimos e assim permanecerá. Indignos são os que se atrevem a "tenatr desmoralizar" alguém sem identidade... ou com identidade falsa! Se eu realmente me importasse com mesquinharias, eu certamente bloquearia meu blog para comentários anônimos! São tão burros que nem pensam nessa possibilidade!

Enfim, espero que meus próximos posts estajam no nível de meus caros colegas, o pelo menos um nível mais ou menos a vocês!

Abraços Fraternos!