sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Trecho de Coélet, retirado do livro de Harold Bloom, "Onde Encontrar Sabedoria."


Ao ler o trecho que transcreverei a seguir, não pude deixar de fa\zer uma ligação perfeita entre o meu pensamento o o de Coélet, que encontra-se no livro dos Eclesiastes, na Bíblia. Como podem ver, a Bíblia também contém ensinamentos profundos, bárbaros, apesar de uma pregação errônea que fazem dela nessa igrejas da vida. Leiam com atenção e sem preconceitos, é um trecho lindo:

Outra vez me voltei, e vi sob o sol que a corrida não é para os céleres, nem a batalha para os fortes, tampouco o pão para os sábios, nem a riqueza para os homens esclarecidos, nem o favoritismo para os homens de talento; o tempo e a oportunidade se apresentam a todos eles.

Minha interpretação pessoal dessa passagem é quase que literal: Diria eu que apesar de, às vezes, as oportunidades baterem nas portas dos sábios, dos esclarecidos e dos fortes, esses, por sua honra e dignidade não se vendem aos propósitos dos "homens da esperteza", que são os que dominam cada fatia do poder e do controle sobre a existência humana. São esses os políticos, os grandes médios e pequenos empresários, entre outros "malandros" que controlam todo o sistema. O forte esclarecido não se submete a uma guerra suja, onde será o carrasco de gente inocente (vejam o que acontecem nas guerras, quantas mulheres, crianças e idosos morrem sem ao menos fazer parte de toda a sujeira política!), o sábio esclarecido também não quer comercializar os seus conhecimentos, é como já lhes disse em algum post antigo, como professora, às vezes me sentia "prostituída", pois tinha que "vender" ideias errôneas, enganação entre outras coisas que me deixavam muito mal. Se eu ousasse falar o que penso, estaria na rua, pois não educamos nossos alunos para que se tornem críticos: educamo-los para que se tornem máquinas de fazer alguma empresa lucrar... Enfim, se queres viver de sabedoria, saibas que não terás o teu pão por essa via. A sabedoria deve ser sim espalhada pelos quatro cantos do mundo, mas nunca será mercadoria! 

abraços fraternos!