sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O amor existe


Hoje estou triste, muito triste mesmo. Cheguei a cogitar a possibilidade de fugir de vez do mundo, mas o amor de três pessoas, em especial de duas pessoas me impedem de fazer qualquer atitude. Meu marido Renato, que vem aturando todos os meus problemas, levando com ele uma carga extremamente negativa de minhas maluquices, e minha mãe que me apoia em tudo, não deixando de lado os seus sermões bem colocados. Sim, eles me amam apesar de tudo que sou, não sei se são mais loucos do que eu ou neles encontrei todo o amor e compaixão que no mundo todo não se acha. Eu sou uma eterna criança, não quero ser adulta, e ajo como criança. Mesmo assim, os dois estão SEMPRE ao meu lado e eu aprendi que os amo, apesar de meu egocentrismo narcísico.

Quando brigamos, acho que tudo acabou, mas eles sempre voltam e me dão um abraço encorajador. Por isso quero passar de agora em diante a agir como mulher e não como uma filha bastarda e revoltada contra o mundo. O meu pai tem grande responsabilidade por meus distúrbios, mas eu não posso deixá-lo acabar comigo. Eu hei de me reerguer e acreditar naqueles que só querem o meu bem. 

Quero publicamente pedir desculpas a essas duas almas piedosas cujo amor está além do bem e do mal, além do que se possa entender de química cerebral. Eu no lugar do Renato não sei se admitiria estar casada com uma pessoa tão imatura, irresponsável e infantil. Eu no lugar da Roseli não sei se teria paciência de cuidar de uma filha bem crescidinha. O que seria de mim sem essas pessoas? Se deus existisse, diria que ele é esse sentimento nobre que algumas pessoas que não são egoístas têm e com isso ajudam os mais necessitados de carência afetiva.

Sou uma fraca, fracassada, falida, mas eles não me querem morta, eles querem continuar a me reerguer, a me recuperar e fazer de mim uma pessoa melhor. Eu vou tentar por eles e espero que a tentativa de mudar não seja frustrada por mais nenhuma pedra no caminho. Chega de querer me compensar com coisas inúteis, fúteis. Vou à luta para manter a melhor harmonia possível.Se isso acontecer, devo agradecer eternamente ao meu marido e minha mãe, que me suportam, aturam e criam como se eu fosse um bebê desamparado.

Quero retribuir tudo, pois meu coração é puro e bondoso. Se reclamo do mundo, se não aceito um deus na minha vida é porque não posso tolerar injustiças, isso não faz parte do meu caráter. Devo-lhes a vida, apesar de não gostar dela, gosto do amor que vocês me dão sem nada pedir em troca.

Renato, meu amor! espero que você compreenda a minha situação e não desista de mim.
Mãe, minha vida, se tivesse abortado não teria dor de cabeça, mas também não teria o meu amor!!!! E minha eterna gratidão por tudo!

Muito amor para todos nós!