sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Cículos sociais



Definitivamente aboli os círculos sociais. Não suporto mais fingir ser quem não sou, sorrir quando por dentro estou sangrando, e ainda por cima levar nome quando viro as costas. Uma coisa interessante, as pessoas tem mania de achar que todo mundo tem inveja delas. Putz, eu só tenho inveja de um cadáver que ganhou a liberdade completa e eterna! Não quero nem saber se fulano comprou um carro, se está com o nome no SPC, se ganhou na loteria... o que isso muda na minha dor? Não sei porque as pessoas tanto falam umas das outras, levantando "falso testemunho", julgando, acusando e desferindo todo tipo de intriga possível. Estou cansada, eu não pertenço.

E o mais grave é que as línguas difamatórias tem um poder de persuasão tão grande que inventam coisas horripilantes sobre os outros e os idiotas acreditam sem ao menos QUESTIONAR! Se há uma coisa boa em mim, um dom ou talento nato é que sou uma pessoa extremamente crítica e jamais aceito meias verdades.

A diversão do pobre de espírito é criar intrigas. A luta pela conquista do espirito rico e combater suas próprias intrigas internas. Uma coisa que observei também: para mediar a baixeza do espírito humano, basta prestar atenção às coisas que lhe fazem rir - se riem da desgraça alheia, esses são os piores seres humanos que existem na face da terra, e por isso o mundo é esse circo pitoresco e grotesco de onde tento fugir a qualquer custo. nada vale a pena, apenas meu ócio.