quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Sozinha


Sim, o que sempre almejei para minha vida era a solidão. Hoje estou quase, quase que completamente só. Estou morando na casa de minha falecida avó, mas na parte de baixo da casa vive a minha mãe e meu crime (filho) vem me visitar e dorme comigo com uma certa frequência, não muita porque estou em uma fase tão ruim, ou sei lá se isso é fase ou sou eu mesma, que o coitado não aguenta passar muito tempo comigo... Enfim, sou assim e felizmente ele tem muita gente que gosta dele. e que se foda essa falsa moral de que mãe é tudo, mãe é isso. Eu nunca o abandonei, pelo contrário, estou aqui para ele quando ele bem entender, só que não sou uma mãe convencional. Um dia ele vai me odiar por isso, ele ainda é inocente. Eu finalmente consegui um pedacinho microscópico de liberdade, embora a tempestade tente sempre me empurrar para lugares que não quero ir, tento me segurar, me apoiar e me firmar sozinha. Esse sempre foi meu verdadeiro ideal, conviver comigo mesma. E o mais engraçado de tudo, eu me sinto tão bem com a minha companhia que qualquer outro ser humano me tiraria esse prazer indescritível que é estar comigo mesma. Sou realmente de outro planeta...