sexta-feira, 25 de maio de 2012

Os outros...

Lástima! Os indivíduos só dão valor àquilo que não têm. Quem teve amor, carinho, solidariedade, fez disso tudo um livro velho, sem nada de atrativo, apenas acúmulo de pó. Quem fez lágrimas verterem, quem recebeu apoio incondicional, ao esquecimento mandou alguma lembrança qualquer, e os olhos disseram que nada disso tinha valor algum. Esses olhos voltaram-se a pequenos deslizes que todo ser humano há de cometer, querendo ou não, sabendo que pratica a mal ou não. Mas basta! Não se pode desejar o infortúnio, não se pode desejar o sofrimento, agora é hora de focar o rosto no próprio espelho, do qual jamais deveria-se ter desviado o olhar. Quem parte, leva consigo o coração esmagado, surrado e violentado, pois da candura que neste habitava, nada restou. Não é ódio, não é tristeza, é a mais dura e amarga realidade.